Aniversário Restaurante Madalosso

Aniversário 80 anos da Dona Maria | Restaurante Madalosso | Curitiba

Eu não fotografo só crianças e isso é bem importante deixar claro por aqui. Eu fotografo todas as histórias das famílias e tá aqui a prova disso: aniversário de 80 anos da Dona Maria. Que aniversário mais lindo! Homenagens lindas e cheias de histórias que foram ditas diante de todos os convidados.

Quero deixar o texto lindo que a neta, Ana Flavia, da Dona Maria fez e leu durante o jantar de aniversário. Com certeza arrancou gargalhadas, lágrimas e muitas lembranças das histórias que esta senhora de 80 anos comemorou no Restaurante Madalosso.


Oitenta anos.

Oitenta anos!

Será que a gente é capaz de entender o tamanho do privilégio que é poder comemorar oitenta anos de vida? E não é só comemorar, é verdadeiramente celebrar a vida! É festejar! É festar! Sabe, pensando na vida da Vó – aquela parcela da vida que eu conheço, né – e tentando encontrar uma palavra que pudesse definir toda essa jornada me veio ao coração: CORAGEM.

Vó, a senhora é muito corajosa!

Sem coragem ninguém chega aos 80 anos. Aliás, só coragem não basta. Muitos corajosos ficaram pelo caminho. Mas, é inegável que sem coragem é impossível desfrutar de uma vida como a que a senhora tem vivido.

E como é essa vida que a Vó tem vivido? É uma vida cheia de luz, que por vezes é invadida por sombras. E só com coragem você sai das sombras para a luz. E hoje, nesse dia de festa e celebração, a gente quer falar das LUZES que ocupam a nossa memória e o nosso coração!

Sim, sempre que eu lembro da casa da Vó, da comida da Vó, das histórias da Vó, das férias na praia com a Vó, das partidas de UNO com a participação da Vó, minha mente e meu coração são iluminados por cheiros, texturas, gostos, sensações e por muitas risadas.   

Antes de falar das memórias mais, entre aspas, “materiais”, eu vou falar uma memória sonora, que sempre vinha do meu pai, quando ele falava que a Vó Maria é a pessoa mais sábia e inteligente que você vai conhecer, e que sempre vai ter a melhor frase para qualquer situação da vida.

E eu sempre achei isso muito da hora. E então, de criança, comecei a reparar e percebi que era verdade. A Vó é uma pessoa muito inteligente, e esse é só um dos motivos que eu respeito tanto ela.

Mas, para além disso, tem uma coisa na nossa visão como netos que eu acho mais da hora ainda: a gente ter a melhor referência de casa da vó: aquele lugar quentinho e confortável, de comer pão caseiro com margarina e café, e, ao mesmo tempo – com todo respeito – uma espécie de terra sem lei em festas de família, quando juntava mais de 30 pessoas, sendo que metade eram crianças com muita energia e espírito de destruição. Parque Tupã, Beto Carrero e Hopi Hari sempre ficaram no chinelo comparados à casa da Vó.

Machucado, gritaria, correria, berreiro, competição de pulo na valeta, o campinho, a memorável caça ao tesouro, um cachorro do tamanho de um pônei, caixas de sorvete de 50 litros para dar conta dos estômagos insaciáveis, que raramente tinham ao seu alcance uma quantidade ignorante daquela, totalmente “di grátis”. Cobertura de caramelo, morango e chocolate: tudo misturado, na casquinha, por favor. E só. As idas na casa da Vó, aos domingos ou nas festas de família, eram sempre um evento.

Eu sei que não parece, mas assim, não parece mesmo, alguns até podem ficar assustados com a informação, mas eu tenho quase 40 anos e parte das minhas memórias afetivas mais vivas tem a ver com a vó Maria. Eu consigo me lembrar daquela casa que a vó tinha lá no Tarumã. Eu lembro do jardim, das flores, de eu ficar apertando as bocas de leão, de um pé de araçá que ficava do lado da caixa de areia. Eu lembro da horta e de como eu amava arrancar a cenoura da terra, lavar com água da mangueira e comer rapidinho! Eu lembro da textura daquelas paredes azuis da sala de cima. Em tudo isso tem um pouquinho da Vó Maria. Agora, quando eu penso especificamente na Vó eu sinto o gosto do inesquecível pão fritado com Nescau. A Vó é o som da máquina de costura, daquele pedal que eu amava girar quando ela não estava usando. E todo mundo aqui neste salão quando vê um avental azul marinho decorado com tecidos de retalho lembra da Vó Maria.

A Vó também é a alegria genuína pelo sucesso de cada filho e de cada neto e de cada bisneto. Ela ama a descendência toda! Quem já não ouviu a célebre história de como a vó, lá na maternidade, pegou o Oscar do colo da enfermeira antes que a pobre tivesse tempo de entregar o Oscar pra tia Cris?!! Nem bem tinha nascido e já era meio o preferidinho! Eu adoro ouvir a própria Vó Maria me contando de como eu era quando eu era bebê, criança, de como eu não gostava de comer nada que fosse preto. Eu amo ouvir a Vó contar de uma vez que a Mariana virou todo vidro de perfume das tias, achavam que ela tinha bebido!

Mas, sério, eu amo como a Vó se empolga com a gente e gosta de ser convidada para as coisas. Q u a l q u e r coisa! A Vó estava linda na minha formatura, no meu casamento, na festinha de 1 ano da Juju. Nesses momentos tão significativos da vida da gente a vó sempre está lá.

E a Vó vai sempre estar conosco. Em todos os momentos. Porque cada um de nós carregamos dentro da gente, faz parte de quem nós somos, um feixe de luz chamado Vó Maria!

E ainda hoje a gente está construindo essas memórias. Ainda hoje a Vó nos enche de boas histórias e bons exemplos. É a bateção de perna por Piraquara, é o trabalho voluntário com mais amor e capricho que conhecemos, é a ginástica com a galera da Terceira Idade, são aquelas viagens malucas que sai sem saber o destino... por falar em viagens, nesta família não passaporte com mais carimbo do que o da Vó Maria. Estados Unidos, Itália, França, Portugal, Suíça, Argentina, Peru... vocês sabem que a Vó foi parar em Machu Picchu?? Gente, Machu Picchu! E que ela não precisou de oxigênio???? E dentro do Brasil, então, nem se fala. Ela é uma especialista no quesito Thermas de Luxo.

Vó Maria, essa sua vontade de viver nos encanta! 

GUI:

E a gente falou tudo isso aqui, porque quando a gente celebra as memórias, estamos comemorando a vida da Vó. Quando falamos do presente e da importância da Vó, a gente também está comemorando a vida dela.  

Feliz 80 anos, amamos você!


texto Ana Flavia Weidman e Guilherme dos Santos

Tags

fotografo aniversário 80 anos fotografo curitiba aniversário restaurante madalosso jantar aniversário restaurante madalosso