28/06/2022 às 13:51

Como mudei de carreira depois dos 30 anos

6
2min de leitura

Muita gente me pergunta como foi ter mudado de profissão depois dos 30 anos e eu respondo que nunca parei pra pensar na mudança em si. Troquei porque fui obrigada a fazer isso.

Eu trabalhei por quase 10 anos na área de Marketing, tinha uma carreira sólida, mas nunca foi o que me tirou o ar de emoção – até porque eu estava tão mecanizada no processo que nem sabia o que era isso. Até que eu engravidei e vocês sabem que mulher e gravidez é algo que as empresas não estão preparadas. Meus filhos nasceram de 30 semanas, ficaram em hospitais diferentes e um deles acabou permanecendo mais tempo na UTI com várias e enormes decorrências (período muito difícil e que quase levou meu Miguel). Minha licença maternidade foi dentro do hospital. Depois da última passagem pela UTI, quando Miguel ganhou alta da correção intestinal, 1 semana depois precisei voltar a trabalhar. Não tive direito a estender minha licença para, enfim, cuidar dos meus meninos em casa. Até tentei negociar com a empresa, mas foi sem sucesso (empatia? não tive). Acabei que precisei parar de trabalhar para dar conta da demanda que 2 bebês prematuros exigem (médicos e terapias quase que diárias).

Com 1 ano e 9 meses, depois de ser encorajada por muitas pessoas, resolvi que encararia sem muita pretensão a fotografia. O processo foi muito natural, parecia que eu estava sendo preparada há anos para isso. Lembro dos primeiros trabalhos o quanto eu chegava eufórica. Ainda muito sem técnica, não entendendo sobre softwares de edição, backups, processos, administrativo, dei a cara para bater e hoje estou aqui, 6 anos depois. O 1º ano me dediquei a euforia e o prazer que aquilo me dava – foi mágico. Depois passei a entender que aquilo seria meu ganha pão e precisei trabalhar a emoção com o empreendedorismo. Não que tenha mudado muita coisa, mas aí você precisa ter jogo de cintura para compreender que seu trabalho sustenta um lar. Outra coisa que me deixava feliz era o fato da flexibilidade de horário. Os meninos tinham (tem) uma agenda repleta de atividades e não queria terceirizar isso, queria poder viver cada momento.

Hoje sou feliz e realizada pela profissão que me conquistou e me permite ir na academia no horário da herdeira (hahahahaha), mas meus sábados e domingos tô lá batendo cartão nas festas e durante a semana tem os ensaios. Minha vida é uma loucura e trabalho muito mais que antes.

28 Jun 2022

Como mudei de carreira depois dos 30 anos

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL
Oi, tudo bem? Acabei de entrar no seu site e quero conhecer um pouco mais do seu trabalho.
Logo do Whatsapp